sexta-feira, 10 de novembro de 2017

- Como ler minha obra -



Um passo de cada vez, para que seus pensamentos possam respirar profundamente. O "ar", assim, penetra os pulmões e nutre a alma.
Um passo de cada vez, para não perder o fôlego e sentar no meio da estrada e, por lá, se acomodar.
Um passo de cada vez, cada passo demorado, para que seus pés possam sentir a energia da terra penetrar em seu corpo e, assim, estremecer o espírito.
Ver o próprio espírito rachar diante da obscuridade... esse é o maior prazer do sábio.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

- Estratégia -




Nem todas as lutas valem a pena serem travadas. As vezes, compreender que o combate é impossível de ser vencido e, por essa razão, abandonado, é a melhor estratégia. As vezes, alguns adversários, invencíveis quando medimos forças e cujo esforço não produz crescimento algum é abandonado sozinho no campo de batalha, este se auto aniquila.
Fugir ou se ausentar, nesse sentido, não é sinônimo de covardia, mas a melhor estratégia para se vencer sem desperdiçar energias.

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

- Minha Obra -




Hefesto martelava sem parar dia e noite e os sons de seus golpes me tiravam o sono. Cada martelada um fantasma, cada martelada um símbolo, cada martelada uma palavra que não consigo ler. Porém, a imagem forma-se lentamente no ar, a ideia parece vir de uma dimensão futura ou paralela.
 - Hefesto, o que você está criando a ferro e fogo? Posso ver mas não consigo entender. Compreendo mas não sistematizo. Qual o problema com sua obra Hefesto? Há nela rachaduras entre as partes que me impedem de ver o todo. Todo da obra? Continua sendo o todo, mas se adota uma perspectiva o sistema é de um jeito, se adoto outra o sistema é de outro. Qual o problema com sua obra Hefesto? Compreendo mas não sistematizo, se não sistematizo não falo o que é. Sua obra fala em mim e não verbalizo a ressonância da canção de sua alma.
Hefesto permaneceu em silêncio martelando. Uma martelada "IN", duas marteladas "TU", três marteladas "I", quarta martelada (...).

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

- Determinação Inabalável -



O medo me visita, fala simbolismos aterrorizantes em meus ouvidos. O cinza de seus olhos me convidam a entrar em sua alma e na profundidade inefável das trevas de sua íris faço um risco colorido. Suas palavras, sinais do apocalipse, trombetas celestes, abalam minhas estruturas e todas as armaduras e proteções, chaves que fecham o corpo se esvaem no cosmos.
Tudo o que sobra é
corpo cansado,
herói ferido erguendo espada...
... sem rendição...
rendição afirmativa a cina e à vontade.
Não restam armas empunhadas, não restam escudos pesados, nem sombras, nem luz, tudo é opaco...
... mas o corpo, ferido, persiste com sua fibra e garra.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

- Eternidade -



Subi cada vez mais alto, observei cada vez mais de cima. O antes e depois só existem fora de mim e num passo descontinuo de acelerações, câmeras lenta, alcanço do clímax, revejo infinitas vezes a lagarta virando casulo. Casulo se rompe, mas quero a lagarta novamente e novamente lagarta se faz casulo. Tudo o que é é tudo que já foi e pode ser, todas as possibilidades estão dadas e condenadas na unidade. Unidade e multiplicidade se anulam pois não há sentido algum. Um milhão de séculos para mover um dedo, estou no dedo, estou no passo que caminha em círculos viciosos, dor, sofrimento, vontade e desejo. O repouso absoluto da eternidade governa o tempo. O tempo é uma roda que gira na palma da mão do Buda.
O lótus caiu e continua caindo e recaindo, o homem morreu e continua remorrendo. Mil direções no corpo a serem observadas e experimentadas mil vezes.
Deus lê a mesma página mil vezes, Deus lê o livro de trás para frende e de frente para trás, Deus articula as possibilidade de histórias paralelas. Deus não pode nada... pois é tudo...

quinta-feira, 22 de junho de 2017

- A estrada sem jogos de "bem" e "mal" -




Pena... Pluma...
Pluma pena vai e volta e vem...
Pluma pena... que diabos, não importa
pois giro como pião, qualquer parada é direção a torto e a direito.

Há muito tempo tinha, em cada uma das mãos, uma pedra e sempre as lançava para o ar quando me deparava diante de um caminho. As vezes caía, no caminho, uma escrito "bem", outras vezes caía a outra escrito "mal". Ora, lançar pedras sobre caminhos não é uma brincadeira de criança?

Pedras! Por um acaso vocês não são brinquedos nas mãos de pessoas imaturas? Ou será... pessoas imprudentes...?

Ora, sujeito falante não seja arrogante!!! Cuidado, pois para essa sabedoria há poucos aqueles que colhem.

"Bem" e "mal" se esfarelam em mãos amadurecidas... tudo o que brota, de agora em diante, é entendimento e ternura.

Pena...
Pena...
Pluma...
Em minhas mãos e de minhas mãos um assopro.
Do assopro ao ar, mil penas com a ponta suja de nakin escrevem mil estradas. Não jogo mais a brincadeira do "bem" e do "mal" na escolha, mas marco meu ponto pisando com entendimento e ternura. Um sim e 999 nãos.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

- Do avesso e de ponta cabeça -



O guerreiro a ser constituído. cansado de sua última batalha contra os "mil deveres", luta longa da qual ainda não havia vencido a guerra por completo, senta-se em uma pedra rodeada de árvores de um bosque sombrio. Limpa o suor e as lágrimas de seu rosto com a manga da camisa, fita as estrelas e percebe que uma nuvem cinza e escura, da cor de seu cansaço, devora-lhes o brilho.

- É... vai chover... pelos menos minha alma será purificada de seus pecados ao ser lavada pelo choro dos deuses. Mas, meu corpo, encharcar-se-á e se tornará uma estátua de gelo.

Olhou atentamente as nuvens esperando a chuva que não vinha. Olhou para o solo sob seus pés e perdeu-se em pensamentos...
Assobio... assobio... assobio... três vezes assobio, três vezes calafrio, três vezes arrepio subindo pelas costas à nuca... três, que é metade de seis e que mais três são nove... nove esferas e no oceano de meus pensamentos sobe uma e desce e aparece o velho muito velho. Milênios navegando no oceano, milênios lendo nas entrelinhas de cada onda. Durante todos os anos de sua navegação seu bote nunca virou e nem fora engolido pelo mar.

Caminhou lentamente arrastando os pés, olhos nos olhos e o guerreiro a ser constituído viu a si mesmo sentado e com frio na pedra e falou para si mesmo:

- Você espera a chuva para se purificar, mas é o raio quem governa todas as coisas, o instante de raio que parte e reparte cada um em dois e depois, o dois, volta a ser um, porém ora do avesso, ora de ponta cabeça.

Jovem e velho, respiravam o mesmo ar e contemplavam a mesma serenidade e silêncio quando o raio partiu o chão diante deles separando-os por um abismo. Agora, o aperto de mão entre eles jamais aconteceria, tudo se dá pelo olhar e pela fala, mas, não mais pelo calor do abraço que nunca aconteceu e nunca acontecerá.

- O que você viu do raio, guerreiro a ser constituído? - Perguntou-lhe o velho muito velho.

- Intensidade, brilho e força, o instante é único e finito e deve ser aproveitado, pois acaba. Assim, viver intensamente.

- Ora ora, guerreiro a ser constituído, sua perspectiva ainda se equipara a de adolescentes que acreditam em fantasias. Você viu apenas o brilho externo do raio, eu, ao contrário, vi dentro do raio, vi criação e construção, homens construindo pirâmides e fazendo-se paredes.

O clarão passou, o guerreiro a ser constituído desapareceu, e o velho muito velho, que ainda esperava pela chuva imerso em seu oceano de pensamentos, pôs-se em direção a mais um combate de sua milenar guerra... a guerra contra os "mil deveres".


sábado, 22 de abril de 2017

- Da crença saudável -



Tudo o que faço por agora é sempre crendo que serei para o adiante. Não vivemos nunca cada instante como se fosse o último, sempre vivemos para a espera, pois acreditamos na construção diária e que tudo se soma, dia após dia. A crença de que os dias se seguem e, com eles, nós ad infinitun. Tentei agarrar aquilo que devém, mas o mundo se dissolveu e o homem, que acreditava-se salvar o mundo e deixar um legado para a humanidade quando consumasse sua vida reunindo, em um cortar do céu por um raio, todas as coisas e tijolos para o que adviria em seu "evangelho", dissolveu-se com o mundo que construiu em sua fé. Vivemos, não como se o dia de hoje fosse o último, mas sim pela fé na nossa imortalidade carnal... que é finita e, quando jovem, beira e beija mais proximamente a imortalidade.
Acredito que salvarei o mundo para algumas pessoas... mas meu esclarecimento diz que minha fé é apenas sangue para minhas pernas. Peregrinar é o que dá sentido à vida que é possibilidade de dissolução.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

- A descida aos mil infernos -



Judas, após sua grande missão na terra, de entregar o cordeiro ao sacrifício no alto da montanha para a proliferação do sumo saber, desceu aos mil infernos de sua dor. Mesmo consciente de sua tarefa, entregar o mestre aos assassinos é, talvez, a pior atitude justa a ser feita. De fato, justiça não rima com felicidade, mas sim com uma frieza na qual o gelo é somente a pele que envolve o calor do coração.
Judas, assim, com suas pernas fortalecidas, caminhou infinitas léguas pelos mil infernos. Em sua jornada viu seus cabelos caírem, viu sua barriga crescer e diminuir insondáveis vezes, sentiu seu corpo coçar de alergias de ventos que cortavam-lhe a pele. Viu sua barba embranquecer-se... encontrou, nos mil infernos, saber da dor e, do saber da dor, angústia. Tornou-se um errante acertante, pois colocar-se no suplício dos mil infernos é, para muitos olhos voadores que observam das alturas, loucura e desmedida. Mas Judas compreende a medida de todas as medidas, os maiores e mais límpidos céus posicionam-se para além do cinza das tempestades.
Dessa forma, o mais errante de todos os homens da terra defronta com os limites do inferno e, nesse limite, há um imenso portal escrito "Desespero". Judas, que já perdeu todos os enunciados que dão forma ao seu corpo, todos os dentes e todos os fios de cabelo, atravessa o portal e se vê diante do mais profundo dos abismos. Fantasmas voam ao redor de seus olhos, então os fecha e avista os mesmos fantasmas em sua mente. Os fantasmas dizem "dever", "dever", mil vezes "dever", um "dever" para cada inferno. Açoitam seu corpo e o enrolam em fitas métricas, pois cada medida do corpo é um número indivisível. Porém Judas simplesmente "ri", pois está transfigurado. Seu sorriso dissolve seu corpo em terra, água, ar e fogo. Judas é todo physis, se revela e vigora no real. As fitas métricas, que perpassam seu corpo, abraçam o vácuo e Judas, com pés elementares, caminha sobre o ar do abismo e já não tem mais nome. "Com esse riso, me tornei estranho a mim mesmo". 

quinta-feira, 13 de abril de 2017

- O Caminho que vos ensino -



Vim, a todos os homens dessa terra, mostrar-lhes o caminho... o meu caminho do qual todos devem seguir. Este se resume em poucas palavras à "sustente-se sobre tuas pernas e caminhe pisando sobre seus próprios passos". Se seguir o meu caminho nunca irá me encontrar, porém não se sinta perdido e desconsolado, mas sim heroico e bem aventurado.
"Não era para você estar aqui e nem é bem vindo nesta casa, erga, para ti mesmo, tua própria habitação e carregue-a sobre teus ombros".
"Não carregue, jamais, em vossos ombros habitações alheias, pois teus telhados se romperão e seus braços não alcançarão o finito céu".
A ruptura é sempre estranha, pois junto do desejo de não-ser-mais, de devir adiante andante, a saudade e a falta daquilo que não se quer permanece. Permanece como um mundo que se dissolve e que nunca mais se verá. "Saudade do que não se quer mais é, talvez, a mais estranha das saudades".
"Reconhecer a própria altura não significa arrogância se vier acompanhada da distância virtual do quanto melhor precisa ser".
"Esse é o meu caminho, meus passos, e aqueles que os seguem jamais me encontrarão".